Fatos importantes da votação da denúncia contra Michel Temer

0

Informações importantes, discursos e análises sobre a votação da denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Por André Henrique e Rafael Bruza

O Independente encerra por aqui sua primeira cobertura “minuto a minuto”.

Análise final (22:00) – O resultado era esperado e Temer se salvou na Câmara. A repercussão da votação vem sendo gigantesta, com domínio absoluto do assunto nas redes sociais, que levou a hashtag #InvestiguemTemer aos assuntos mundiais em destaque. Os deputados temiam justamente essa exposição na mídia brasileira e mundial. Agora vão viver a repercussão do que disseram e fizeram, em situação de pressão que será mais grave caso Rodrigo Janot apresente outra denúncia contra Temer. Então o jogo político necessário para julgar o presidente prevaricador ainda não acabou. Sei que o Congresso é nojento e vendido. Mas justamente por tudo isso temos que participar, agir e nos envolver nesse mundo, procurando melhorar a nós mesmos e ao “todo” como consequência.

CÂMARA BARRA DENÚNCIA CONTRA TEMER

21:00 – O fotógrafo Lula Marques divulga fotos que mostram o deputado federal Wladimir Costa (SD-PA) pedindo, no Whatsapp, para uma mulher “mostrar a bunda”. A mensagem deixou a interlocutora constrangida.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e telefone

20:18 – Câmara dos Deputados barra denúncia da Procuradoria-geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer. A sessão começou nesta quarta (02), às 09 hrs, e a votação está em andamento. Entretanto, a base aliada já conseguiu os 172 votos necessários para impedir o prosseguimento da investigação.

Opinião (20:03) – O julgamento de Temer não trará a esquerda de volta ao poder em nenhuma hipótese. Alguns líderes políticos, como o pastor Marco Feliciano (PSC-SP) e ativistas como Carla Zambelli – do movimento Nas Ruas, próximo do MBL – se posicionam usando a esquerda como argumento, mas Lula nunca assumirá a Presidência da República em eleições indiretas feitas em um Congresso conservador e favorável à Temer. Se o presidente cair o favorito é Rodrigo Maia (DEM-RJ).

19: 57 – “Campeão de emendas” do Governo e chamado de “o menino da porteira de Temer”, Sérgio Reis vota contra Michel Temer no Plenário da Câmara. https://goo.gl/2Sh7dJ

Análise (19:55) – Deputados que votaram a favor da família e contra a corrupção em 2016, no Impeachment de Dilma, hoje votam pela “estabilidade” da nação e da economia. Todos estes discursos provém de propagandas políticas interessadas e são usados como argumentos vazios, mas muito confortáveis e convincente para certas pessoas.

19:28 – Demitido sem aviso pelo presidente, Osmar Serraglio não compareceu no plenário, mas a abstenção beneficia Michel Temer.

Assuntos mais falados

19:25 – #InvestiguemTemer e FORA TEMER são os assuntos mais falados do país no Twitter.

19:15 – Os votos “sim” já desequilibram o placar a favor de Temer.

Análise (19:10) – Alguns deputados que “lutaram contra a corrupção petista” até mantém a coerência, como o Fransischini, que votou contra Temer e a favor do julgamento no STF.

Mas a maioria tem argumentos improvisados, pobres e que mostram uma posição comprada, sem valor nenhum.

18:55 – O Delegado Eder Mauro (PSD- PA) disse que vota a favor de Michel Temer pela estabilidade do país, mas principalmente porque a “esquerda comunista” apoia líderes que querem “destruir a família”.

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, close-up
O deputado federal, Delegado Eder Mauro (PSD- PA)
 18:08 – “Os deputados que votaram com Temer foram cúmplices de seus crimes”, diz Jandira Feghali (PCdoB-RJ), que orientou o voto da bancada a contra o parecer e contra Michel Temer. “Esse processo não acaba aqui. Uma derrota numérica hoje é a derrota política e a distância do povo deste parlamento”.

17:56 – Esquema de segurança da Câmara não permitiu entrada de manifestantes no plenário. Do lado de fora só houve protesto de um pequeno grupo de pessoas depois no final de tarde.

17:00 – PT vota pela admissibilidade da denúncia. PMDB fecha pelo NÃO. Líder do PSDB, Ricardo Trípoli, libera a bancada para cada um votar de acordo com a sua consciência, mas recomenda voto pela admissibilidade.

16:42 – Começou a votação da denúncia. Os líderes dos partidos começam a orientar suas bancadas.

15:46 – (Análise) Deputados da base aliada de Temer como Rogério Rosso (PSD – DF) já cantam vitória na Câmara, enquanto o presidente prepara um discurso à nação, pós-vitória.

15:40 – O líder do PT na Câmara dos Deputados, Carlos Zarattini (SP), anda pela Câmara com um papel no ombro que ironiza a tatuagem de Wladimir Costa (SD-PA).

Costa acaba de fazer discurso no plenário, classificando o Governo de Michel Temer como “ético”.

15: 20 – Segundo repórter da GloboNews, o Governo Federal já prepara o Salão Leste do palácio para pronunciamento de Temer, diante da vitória iminente. Já posicionaram dois TelePrompTers e fazem teste de áudio.

15:15 – Novamente há quórum mínimo registrado no plenário da Câmara para votação. O deputado Rogério Rosso (PSD – DF) parabenizou a “base corajosa” que compareceu à votação.

15:10 – Como o plenário da Câmara já superou o quórum mínimo (antes do reinício da sessão, que obrigou os deputados a se registrarem novamente), Michel Temer deve sair vitorioso da votação. A oposição espera desgastar os governistas considerando que o procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, deve denunciar o presidente da República novamente por crime comum.

15:00 – A votação da denúncia deve ocorrer apenas na noite desta quarta-feira (02), pois a a oposição conseguiu estender a discussão, impedindo o início da votação antes das 14h.

14:10 – Editor-chefe da revista Época (Grupo Globo) diz que Lava Jato prepara novas ações que irão “piorar” a crise política em breve por fazer muitas “vítimas” na Câmara dos Deputados.

14:00 – Deputados governistas querem agilizar a sessão para não serem amplamente expostos na televisão defendendo Michel Temer – pois esta posição gera desgaste político em suas bases. A oposição, no entanto, pretende retardar o início dos votos o máximo possível. Rodrigo Maia fez uma “rejeição em bloco” (classificada como “manobra” pelo repórter George Marques, do The Intercept) de todos os requerimentos de obstrução da votação, feitos pela oposição. Dessa forma, o plenário entrou em processo de votação, mas todos os registros de presença devem ser feitos novamente. O que acontece agora: encaminhamentos de líderes, orientações de bancada e defesa de Temer, além de 10 minutos de fala antes da chamada nominal dos deputados.

13:47 – Governador da Bahia (PT) diz que os secretários liberados não votarão a favor de Michel Temer e chamou informações da imprensa de “fofoca”. Um dos secretários liberados, no entanto, pretende se abster na votação – posição que beneficia Michel Temer.

12:50 – Protestos contra Michel Temer e a favor da denúncia da PGR bloquearam rodovias de São Paulo e Recife (PE) na manhã desta quarta-feira (02). Em Belo Horizonte (MG) também houve concentração contra o presidente.

Confira fotos da Mídia Ninja e dos Jornalistas Livres:

12:50 – O quórum da votação acabou de ser alcançado no plenário, com 346 deputados registrados. A votação, no entanto, ainda não começou. Os deputados neste momento analisam requerimentos para encerrar a fase de debates da sessão.

12:20 – As hashtags da votação que estão em destaque são “Fora Temer”, #InvestiguemTemer e “Plenário da Câmara”. Cabe lembrar que Temer já foi investigado pela Polícia Federal antes da apresentação da denúncia. Caso a Câmara dos Deputados aceite as acusações da PGR, a denúncia irá ao Supremo Tribunal Federal (STF), onde Temer será julgado, não investigado.

11:50 – A oposição faz protestos no interior da Câmara dos Deputados. Com a previsão de vitória de Temer, partidos como o PT, PSOL, Rede, entre outros da oposição, querem prolongar a votação da denúncia o máximo possível – para desgastar o Governo politicamente. Como Rodrigo Maia (DEM-RJ) afirmou que só iniciará a votação quando houver 342 deputados confirmados, as siglas de oposição vão esperar a formação do quórum mínimo definido por Maia -, para então se inscrever e votar contra Temer.

Os oposicionistas repetiam em coro tudo o que Maria do Rosário falava.

“Nós não somos a favor do Temer. Consideramos esse governo golpista. Sabemos que Temer está envolvido em atos de corrupção. Portanto, não aceitamos que a denúncia contra ele seja arquivada. Alertamos a população brasileira, os trabalhadores e as trabalhadoras que devem se mobilizar contra Temer. Nós não colocamos a nossa presença ainda no painel porque estamos fazendo um ato político de protesto contra a compra de votos neste parlamento. Não aceitamos que Temer manipule a Câmara dos Deputados. Por isso, fora, Temer!”, repetiram em coro, trecho a trecho, os manifestantes.

11:30 – O PSDB, principal aliado de Temer, orienta o voto a favor da denúncia, mas liberou a bancada para votar como quiser. Espera-se que, dos 46 deputados do partido na casa, 26 votem contra Michel Temer. O líder do partido, Ricardo Tripoli (SP), afirma que a orientação da bancada seguirá o desejo da maioria, que é contrária ao presidente. “Vamos orientar a favor da denúncia. É o que a bancada quer”, disse Tripoli. Os tucanos cogitam romper com o Governo desde a divulgação das delações da JBS, mas ainda compõem a base aliada na Câmara, mantiveram ministérios e ajudaram a aprovar a Reforma Trabalhista no Senado. Os 26 deputados que devem votar a favor da denúncia são chamados de “cabeças pretas”, ala mais jovem da bancada, e tem o apoio de deputados mais experientes, que avaliam não haver mais condição de a legenda continuar apoiando o governo, apesar de permanecer no mesmo.

11:00 – O jornal O Globo, principal veículo impresso do Grupo Globo, maior conglomerado de mídia da América Latina, afirma que a “melhor alternativa” é aprovar o processo contra o presidente Michel Temer. Recentemente o Independente divulgou reportagem mostrando como o Grupo Globo fortalece a ida de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à Presidência da República, em detrimento de Temer. O Grupo Bandeirantes e o Grupo Record, a sua vez, defendem o presidente.

Análise (10:45) –  O Governo tem votos suficientes para barrar a denúncia nesta votação. Os votos são feitos em aberto, expondo a posição de cada um dos parlamentares – o que tende a aumentar o desgaste sobre a base de Temer, complicando a governabilidade do presidente no caso de uma segunda denúncia. A oposição tem estratégia própria: faz protestos e quer retrasar a votação o máximo possível para manter a pressão sobre o Governo nesta situação.

10:41 – A oposição faz protestos na Câmara dos Deputados com cartazes, faixas e até uma mala de dinheiro que simula os R$ 500 mil dados ao assessor de Michel Temer, Rodrigo Rocha Loures.

Contexto

Michel Temer é o primeiro presidente da República a ser denunciado por crime comum, cometido durante o mandato, pela Procuradoria-Geral da República. A denúncia por corrupção passiva foi feita no final de junho e traz as delações da JBS como principais acusações.

Caso 342 deputados da Câmara votem a favor da peça e o Supremo Tribunal Federal (STF) aceite julgá-la, Temer é afastado temporariamente do cargo, por até 180 dias (6 meses), deixando o comando para o primeiro na linha de sucessão: o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

A atribuição de conduta criminosa a Temer se dá, na visão

A PF entende que Temer cometeu crime durante o mandato “por embaraçar investigação de infração penal praticada por organização criminosa, na medida em que incentivou a manutenção de pagamentos ilegítimos a Eduardo Cunha, pelo empresário Joesley Batista, ao tempo em que deixou de comunicar autoridades competentes de suposta corrupção de membros da Magistratura Federal e do Ministério Público Federal que lhe fora narrada pelo mesmo empresário” – confira aqui a íntegra da denúncia.

A expectativa inicial é que Michel Temer vença a votação desta primeira denúncia, mas se desgaste politicamente, assim como sua base na Câmara, complicando a situação política em uma segunda denúncia, que ainda deve ser feita pela Procuradoria-Geral da República.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook