Bolsonaro leva facada: veja comentários dos presidenciáveis

0

Candidatos à Presidência da República usaram as redes sociais para comentar a facada levada por Jair Bolsonaro (PSL) em Juiz de Fora (MG).

Por Rafael Bruza

O momento em que o candidato Jair Bolsonaro (PSL) leva uma facada em Juiz de Fora (MG)

Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT), Marina Silva, Henrique Meirelles (MDB), Guilherme Boulos (PSOL), Álvaro Dias (Podemos) e João Amoedo (Novo) comentaram a facada sofrida por Jair Bolsonaro (PSL) nesta quinta-feira (06).

Geraldo Alckmin declarou que “política se faz com diálogo e convencimento, jamais com ódio”.

“Qualquer ato de violência é deplorável. Esperamos que a investigação sobre o ataque ao deputado Jair Bolsonaro seja rápida, e a punição, exemplar. Esperamos que o candidato se recupere rapidamente”, afirmou no Facebook.

Ciro Gomes repudiou “a violência como linguagem politica” no caso.

“Solidarizo-me com meu opositor e exijo que as autoridades identifiquem e punam o ou os responsáveis por esta barbárie”, diz o presidenciável.

Marina Silva afirmou que o “atentado” deve ser “investigado e punido com todo rigor”.

“A violência contra o candidato Jair Bolsonaro é inadmissível e configura um duplo atentado: contra sua integridade física e contra a democracia. Neste momento difícil que atravessa o nosso país, é preciso zelar com rigor pela defesa da vida humana e pela defesa da vida democrática e institucional do nosso país. Este atentado deve ser investigado e punido com todo rigor. A sociedade deve refutar energicamente qualquer uso da violência como manifestação política”, afirmou Marina.

Henrique Meirelles (MDB) a sua vez, desejou “pronta recuperação” a Jair Bolsonaro.

“Lamento todo e qualquer tipo de violência. O Brasil precisa encontrar o equilíbrio e o caminho da paz. Temos que ter serenidade para apaziguar a divisão entre os brasileiros”, disse o emedebista no Facebook.

Guilherme Boulos (PSOL) disse no Twitter que “a violência não pode tomar o lugar do debate político”.

“Repudiamos toda e qualquer ação de ódio e cobramos investigação sobre o fato”, disse o psolista.

João Amoedo, do partido Novo, divulgou nota à imprensa classificando o caso como “lamentável e inaceitável”.

“Independentemente de divergências políticas, não é possível aceitar nenhum ato de violência. O Brasil lutou muito para voltar à democracia e a ter eleições limpas e livres. A violência não pode colocar essas conquistas em risco. Que o agressor sofra as devidas punições. Meus votos de melhoras para o candidato”, afirma Amoedo.

Álvaro Dias (Podemos) disse no Twitter que repudia “qualquer ato de violência”.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook