Empresários comentam ‘alinhamento’ com Mourão, durante jantar na casa de Paulo Skaf

0

Segundo um executivo, o vice se mostrou um “contraponto à postura de Bolsonaro”

Por Rafael Bruza * com informações do Valor Econômico

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, participou nesta terça-feira (26) de um jantar com cerca de 30 executivos, feito pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), Paulo Skaf. No encontro, os convidados trataram sobre Reforma da Previdência e Tributária. Executivos também citaram um “alinhamento” com o vice-presidente.

Ao longo de cerca de uma hora e meia, Mourão conversou as lideranças empresariais, antes de o jantar ser servido. As conversas aconteciam em pequenas rodas e o vice-presidente não quis fazer discurso. 

O presidente da Cargill no Brasil, Luiz Pretti, descreveu o evento como um “bate-papo informal sobre importantes questões de Estado, sem discursos, apologias, pedidos ou discussões, e marcado por um alinhamento poucas vezes visto em encontros do gênero”.

Segundo o executivo, Mourão fez questão de mostrar que está alinhado com o presidente Jair Bolsonaro.

“O clima do encontro estava muito bom, leve. Fiquei bem impressionado com o vice-presidente”, disse Pretti, um dos muitos representantes do setor de agronegócios convidados pelo presidente da FIESP para o jantar.

Estiveram presentes o presidente da Band, Johny Saad, Rubens Ometto (Cosan), João Ometto (São Martinho), Marcelo Ometto (Unica), Fernando Galletti de Queiroz (Minerva), Pedro Parente (BRF) e Jacyr Costa Filho (Tereos).

Um executivo que não quis se identificar ao jornal Valor Econômico disse ter saído do encontro com boa impressão em relação ao vice-presidente.

Segundo ele, Mourão conversou com todos, foi simpático e acessível, além de muito ponderado, “um contraponto à postura de Bolsonaro”.

O executivo disse ter impressão é que existe uma ala moderada e sensata no Planalto.

Na avaliação de outro executivo, um dos temas foi a dificuldade de interlocução com o presidente Jair Bolsonaro por conta da influência da família, principalmente de Carlos Bolsonaro.

Empresários também externaram preocupação com a dificuldade de articulação do governo com o Congresso, visando a aprovação da reforma da Previdência. 


Mourão concordou que é preciso trabalhar para a harmonia e equilíbrio dos Poderes e disse que o governo precisa ampliar o diálogo com setores da sociedade. O vice-presidente ouviu os empresários com atenção e se mostrou firme nas opiniões, sempre preocupado em se mostrar leal ao presidente Bolsonaro — de quem fez defesa em alguns momentos, de acordo com uma pessoa que participou do encontro.

Entre os presentes estava o ex-presidente do STF e ex-ministro da Defesa de Dilma Rousseff, Nelson Jobim, hoje no banco BTG. Jobim conversou com Mourão antes do jantar, quando foi oferecido um coquetel, e também durante a refeição.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook