Também existem juízes e procuradores criminosos, senhor Dallagnol!

2

O procurador da Operação Lava a Jato, Deltan Dallagnol, fez um vídeo pedindo para as pessoas se posicionarem contra o projeto de abuso de autoridade, sem considerar os cidadãos que viram verdadeiras vítimas do poder Judiciário brasileiro.

Opinião – Por Rafael Bruza

Captura do vídeo dos procuradores da República que se posicionaram contra o projeto de abuso de autoridade, em trâmite no Senado Feederal

É interessante – para não dizer, lamentável – ver Deltan Dallagnol e outros membros da Operação Lava a Jato fazendo campanha para que as pessoas se posicionem contra o projeto de abuso de autoridade do Senado Federal.  Em 2015, vi esse procurador dizendo que as leis brasileiras dificultam a investigação de políticos por causa do foro privilegiado. Obviamente concordo com ele nesse ponto, pois há muitos recursos jurídicos para proteger poderosos do Congresso Nacional.

Mas logo esses procuradores não mostram preocupação com a falta de leis para punir juízes e procuradores, que é outro problema do Brasil, onde magistrados normalmente só são condenados com afastamento assalariado ou aposentadoria compulsória.

No Pará, por exemplo, uma adolescente de 15 anos ficou presa numa cela de 30 homens, que abusaram dela sexualmente. Mas a juíza que manteve a jovem nessa prisão do inferno só foi “punida” pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com afastamento de 2 anos, sem perder o salário, que continuamos pagando.

E o que falar do promotor que fez uma série de acusações contra uma adolescente, vítima de abuso sexual, durante audiência de um processo contra o pai dela, acusado pelo crime?

O exame de DNA mostrou que o pai havia engravidado a filha durante uma relação forçada – e criminosa. Por isso a Justiça concedeu direito ao aborto.

Mas o promotor ainda teve audácia de ridicularizar a vítima e dizer que a ela estava mentindo.

“Pra abrir as pernas (…) pra um cara tu tem maturidade (….) e pra assumir uma criança tu não tem?”, disse o promotor de Justiça Theodoro Alexandre da Silva Silveira, em 2016.

O servidor público foi investigado, mas onde está a condenação?

Ninguém sabe, ninguém viu.

Ora, o valente e corajoso Dental Dallagnol deveria se comover com a situação dessas adolescentes – minha opinião.

Mas ao invés disso, ele diz que o abuso de autoridade gerará “perseguição” contra procuradores – como se fosse impossível fazer um projeto de abuso de autoridade justo e correto.

O engraçado é que esse argumento da “perseguição” também é usado por políticos contra a Operação Lava a Jato.

O próprio Dallagnol disse em entrevista à BandNews recentemente que “político nunca é criminoso, mas sim perseguido”.

E os procuradores e juízes do Brasil, Deltan Dallagnol, são criminosos ou perseguidos?

Bom, depende do caso, pois existe gente dos dois tipos, como em todo lugar.

Mas justamente por isso precisamos de leis que contemplem as duas possibilidades e criem punições justas aos primeiros, sem prejudicar ainda mais os segundos.

É possível criar uma lei assim, sim!

Claro que há muito político podre, como Renan Calheiros, que usa o projeto de abuso de autoridade para atacar a Lava a Jato e se proteger.

Nunca me posicionarei a favor dessa politicagem oportunista e cínica do PMDB – partido que joga sujo, mesmo.

Mas, ao contrário de Dallagnol, também sou contra juízes blindados pela lei, como aqueles do Paraná que moveram várias ações contra jornalistas do Gazeta do Povo simplesmente porque seus super-salários foram expostos à opinião pública.

Então me posiciono a favor de maiores penas para juízes e procuradores

Precisamos debater essas questões e esses fatos relatados acima!

O senador Roberto Requião (PMDB- PR) vem mostrando uma postura mais serena no projeto de abuso de autoridade que relata no Senado Federal.

Então precisamos ampliar esse debate e debater, de fato, ao invés de taxar tudo como “possível perseguição” a Operação Lava a Jato, como se não houvessem cidadãos sofrendo com decisões da Justiça e posições de procuradores da República.

Afinal de contas, se todos os problemas do Brasil estão sendo expostos à luz da opinião pública, de que adianta esconder alguns deles?

Vamos falar de TUDO e TODOS, até criar o Estado que merecemos.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook