Jair Bolsonaro no PEN e Magno Malta vice

1
Adilson Barroso, presidente do PEN, e Jair Bolsonaro

O deputado federal Jair Bolsonaro está prestes a trocar o PSC (Partido Social Cristão) pelo PEN (Partido Ecológico Nacional), partido pelo qual o direitista pretende ser candidato à presidência da República.

“É um noivado nota 10. Em poucos dias devemos selar esse casamento”, afirmou Bolsonaro. O presidente do PEN, Adilson Barroso, cravou que só falta a assinatura e que o casamento está 99% fechado.

Em meados de julho, o parlamentar propagou que estava namorando o PSDC (Partido Social-Democrata Cristão), de José Maria Eymael. Na ocasião, Bolsonaro disparou: “com a Lava-Jato e tudo mais, não adianta eu entrar para um partido grande e enrolado em denúncias. Estou a procura de um partido que não tenha esse tipo de problema”.

Jair Bolsonaro aparece em segundo lugar nas pesquisas para presidente da República, quase empatado tecnicamente com Lula, mesmo que não vença as eleições e passe por um processo de desidratação no meio da estrada eleitoral, o ex-militar pode ajudar um partido pequeno a fazer uma bancada grande e mudar de patamar.

Sem contar que Bolsonaro parte com uma base de votos dos descontentes com os partidos e políticos tradicionais e dos liberais-conservadores e reacionários que não vêem PSDB e DEM como alternativas ideológicas e confiáveis do ponto de vista moral.

O PEN pensa em mudar de nome porque o E de ecológico pode levar o eleitor a considerar o partido como representante apenas da causa ambiental, à qual Marina Silva já é bastante identificada.

O partido e Bolsonaro colocaram em suas páginas no facebook uma consulta pública para trocar o nome da legenda. As opções são: Patriota; Prona; PEN; PAB e Republicanos. O post é de segunda (31) e já conta com mais de 270 mil visualizações. A troca de nome depende de autorização do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Jair Bolsonaro e Magno Malta

Outro boato que surgiu na cena política é a possibilidade de o senador Magno Malta (PR-ES) fechar uma chapa com Jair Bolsonaro para 2018, no posto de vice, ou o contrário. O carioca teria vantagem de encabeçar a chapa, tendo em vista a sua posição nas pesquisas.

Os dois gravaram um vídeo no parlamento no qual defendem a Lava-Jato e atacaram os políticos e partidos tradicionais. Malta fez várias referências à bíblia; é comum o senador expor opiniões que estremecem as fronteiras que separam o estado da religião, o que gera críticas especialmente de setores progressistas.

Boa parte do eleitorado de direita hoje no Brasil advém das igrejas evangélicas. Outra base que será vital para a consolidação eleitoral de Jair Bolsonaro.

Jornalista e formado em ciência política pela UNESP, André Henrique já atuou como docente, assessor parlamentar e consultor político, mas é no jornalismo que o sociólogo se realiza profissionalmente, especialmente na editoria de política.

Comente no Facebook