Massacre na Síria e abuso contra Lula, por Luiz Carlos Bresser-Pereira

0

O cientista social Luiz Carlos Bresser-Pereira escreveu que Lula é vítima de uma associação entre elites neoliberais e setores tecnoburocratas do judiciário, e afirma que o Ocidente por meio dos EUA, Reino Unido e França massacram países que tentam ser autônomos link

O mundo é injusto em toda parte. As mulheres e os homens são vítimas de todas as violências: desde o abuso que Lula está sofrendo devido a uma associação perversa das elites neoliberais que temem eleições livres e dos interesses estrangeiros com um grupo de tecnoburocratas do Poder Judiciário decidido a impor a moralidade pública às custas dos direitos básicos de cidadania, até a violência inaudita de que é vítima o povo sírio devido à intervenção dos Estados Unidos, do Reino Unido e da França – os líderes do Ocidente Imperial.

O ataque a instalações do Estado sírio por esses três países é apenas um capítulo menor do massacre a que está sujeito o povo sírio, e que já dura seis anos. Clóvis Rossi, na Folha, oferece os números: “320 mil pessoas mortas segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, ou 470 mil pelas contas do Banco Mundial (a Síria 23 milhões de habitantes ao começar o conflito em 2011); metade da população original fugiu; o custo de seis anos de guerra é avaliado pelo Banco Mundial em €200 bilhões; estão totalmente destruídas 27% das residências urbanas, 50% dos centros médicos, e 43% das escolas”.

Mas por que responsabilizar apenas os três poderes imperiais clássicos? Por que seriam esses três países o eixo do mal em relação ao Oriente Médio? A Rússia não está também na Síria? Sim, mas bem depois que os três países mais a Arábia Saudita decidissem, em 2011, dar apoio a uma rebelião que, não fosse esse apoio, teria sido rapidamente debelada pelo governo, e todo esse massacre teria sido evitado. Mas Bashar Al Assad não é um ditador? Sim, mas não há alternativa em um país pobre e dividido como é a Síria. E, apesar das violências que tem cometido durante a guerra, é certamente menos violento que o ditador da Arábia Saudita, que construiu um apartheid no seu território, faz uma guerra contra o povo do Iêmen, mas a imprensa ocidental chama de “monarca” ao invés de ditador. Na Síria todas as minorias religiosas foram e continuam a ser respeitadas, inclusive a cristã.

A Rússia só entrou na guerra em apoio à Síria depois que os Estados Unidos passoaram a bombardear o país para enfrentar o Estado Islâmico, cujo surgimento foi propiciado pela Guerra do Iraque. A Rússia fez mesmo, mas incluiu os “rebeldes” associados Ocidente. Em seus bombardeios. Fez isso porque a Síria foi sua aliada no Oriente Médio no tempo da Guerra Fria. Ora, para o Ocidente Imperial, este é o verdadeiro “pecado” da Síria. Esse Ocidente, que se tornara hegemônico com o colapso da União Soviética, viu nos últimos 30 anos, a Rússia se recuperar economicamente e a China se tornar seu concorrente tecnológico e ideológico direto. E inventou uma nova Guerra Fria, que, entre outras consequências, massacra os povos da Síria, da Líbia, do Iraque e da Somália. E todos os demais que ousarem ser países autônomos.

Jornalista e formado em ciência política pela UNESP, André Henrique já atuou como docente, assessor parlamentar e consultor político, mas é no jornalismo que o sociólogo se realiza profissionalmente, especialmente na editoria de política.

Comente no Facebook