Nuzman preso e outras notícias no resumão semanal

0

Esta coluna é uma parceria entre o Independente e o canal Politiké Por Bernardi (YouTube).

Por Vinicius Bernardi

Confira também a versão em vídeo:

Crise institucional

O presidente do Senado, Eunício Oliveira, e a presidente do STF, Cármen Lúcia, tiveram várias conversas para debelar a crise que se formou depois que a segunda turma do STF decidiu pelo afastamento de Aécio.

Para quem não se lembra, Aécio é investigado a partir da delação premiada da JBS. Ele foi gravado pedindo R$ 2 milhões ao empresário Joesley Batista.

O afastamento gerou indignação de diversos senadores, que não aceitam que o poder judiciário intervenha desta maneira no poder legislativo.

Depois das negociações entre poderes, o senado adiou a votação que seria nesta última terça e que decidiria se aceitavam ou não esta decisão de suspender Aécio.

Na próxima semana, os ministros do STF irão julgar se Câmara e Senado têm poder para revogar medidas judiciais.

Falando em Senado…

Duas votações importantes aconteceram nesta semana:

A primeira garantiu foro privilegiado ao aliado de Temer, Moreira Franco, já que seu cargo de secretário geral da presidência ganhou status de ministério.

Diversos senadores protestaram, mas como o texto-base já tinha sido aprovado pela maioria, Eunício Oliveira, presidente do Senado, se recusou a contar votos de novo e garantiu foro à Moreira.

E a segunda é que, na última quinta (5), o senado aprovou também o Refis, refinanciamento da dívida das empresas. A polêmica medida facilita o pagamento de empresas que tem dívida com a união.

Reforma “política” (Eleitoral, na verdade)

A partir de agora vai existir mesmo o polêmico fundo eleitoral público de R$ 1,7 bilhões. A justificativa dos políticos é de que com o fim do financiamento empresarial, que foi proibido pelo STF em 2015, os partidos precisavam de dinheiro para as campanhas.

A cláusula de barreira também foi aprovada e agora os partidos vão precisar de um desempenho eleitoral mínimo para ter direito a propaganda e fundo partidário.

Para 2018, os partidos vão precisar alcançar 1,5% do total de votos em 9 estados, além de eleger 9 deputados em, no mínimo, 9 estados também.

Confira outras alterações:

– “Vaquinhas” online serão permitidas partir de 15 de maio do ano eleitoral;

– Limite de doações que uma pessoa pode fazer é de 10 salários mínimos, desde que não passe de 10% da receita do ano anterior;

– Autodoação não será permitida;

– Propaganda paga na internet em sites próprio, blogs e emails não será permitida. Porém será válido impulsionar publicações pagas no Facebook e no Google;

– A partir de 2018 haverá teto de gastos para as campanhas.

As mudanças ainda precisam ser sancionadas por Michel Temer.

Maia polêmico

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, em uma entrevista para o Valor Econômico na última sexta, sugeriu que Temer e PMDB conspiraram mesmo contra Dilma.

Ele ainda disse não faria o mesmo contra Temer, pois este não é o padrão dele.

Talvez seja uma estratégia de Maia para já começar a se distanciar da imagem de Temer visando as eleições de 2018.

Temer ainda luta pela sobrevivência

O presidente já recebeu quase 100 deputados desde que recebeu a segunda denúncia, que será analisada pela Câmara. Só nesta última terça, constava na agenda oficial encontros com 45 deputados.

Nesta semana também sairam novos áudios do Joesley Batista em que ele fala que os procuradores querem “fod**” o PMDB.

A partir da revelação destes novos áudios, um dos advogados de Temer, que escreveu o documento de defesa dele, falou até em “tentativa de golpe”.

Falando em golpe, Lula.

Apesar do Lula estar disparado nas pesquisas, o instituto DataFolha revelou que 54% dos brasileiros acreditam que os fatos revelados pela Lava-Jato são suficientes para a prisão dele.

E a semana não foi tão boa para o ex-presidente. O Ministério Público Federal abriu investigação para apurar a autenticidade de recibos apresentados pela defesa de Lula e concluiu que eles são falsos.

Estes recibos seriam pra comprovar que ele alugava o apartamento ao lado do dele em São Bernardo do Campo, mas tinham erros de digitação, além de datas erradas.

Vale lembrar que Lula é acusado pelo Ministério Público de ter recebido proprina da Odebrecht por meio da compra deste apartamento e também de um terreno para o Instituto Lula.

Legado olímpico: Nuzman é preso

Polícia Federal prendeu temporariamente Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, o COB.

Ele é acusado de ser intermediador e “figura central” de um esquema criminoso com empresários, políticos e membros do Comitê Olímpico Internacional, o COI. Eles teriam vendido votos para o Rio de Janeiro ser escolhido como sede das Olímpiadas de 2016.

Esta operação foi um desdobramento da Lava Jato, a Unfair Play, e foi motivada por um pedido do Ministério Público Francês, que encontrou indícios de corrupção na candidatura do Rio.

A operação relevou que Nuzman aumentou seu patrimônio em 457% nos últimos 10 anos e há indícios de lavagem de dinheiro.

Ele guardava na Suiça dezesseis barras de ouro, de um quilo cada, que, segundo cálculos do UOL, daria para produzir 2.600 medalhas de ouro olímpicas.

Confira outros resumos e vídeos sobre política em Politiké Por Bernardi

Formado em Comunicação Social, pós-graduado em Marketing e estudante de história, desistiu da carreira no mundo corporativo para se dedicar a produção de conteúdo na internet. É criador do canal no YouTube Politiké Por Bernardi e sua luta é pela Educação Política.

Facebook Twitter 

Comente no Facebook