Olavo de Carvalho culpa George Soros por manifestações nazistas nos EUA

0

Protestos de grupos supremacistas brancos contra gays, negros e imigrantes, terminaram em tragédia, nos EUA

Guru da direita brasileira, o filósofo Olavo de Carvalho escreveu em seu facebook que as manifestações de extrema-direita em Chalottesville, Virgínia, foram “pagas por algum George Soros para queimar a reputação dos conservadores”.

Olavo de Carvalho (link):

“Com ABSOLUTA CERTEZA as agitações “de direita” em Chalottesville, VA, foram pagas por algum George Soros para queimar a reputação dos conservadores. Nenhum conservador em seu juízo perfeito vai sair marchando com tochas acesas e gritando slogans anti-semitas, de modo a identificar a direita com os supremacistas brancos e nazistas. Se alguém faz isso, é de caso pensado e a título profissional. Mesmo porque os supremacistas brancos, nos EUA, são em número demasiado reduzido para fazer qualquer manifestação popular digna de atenção.”

A tragédia:

Por volta das 10h30, do sábado (12), James Alex Fields Jr., 20, foi fotografado no protesto de supremacistas brancos e nacionalistas em Charlottesville (Virgínia), com um grupo chamado “Vanguard America”, que prega que os Estados Unidos é um país exclusivo para brancos.

Cerca de três horas depois, ele pegaria seu Dodge Challenger e aceleraria rumo a uma multidão que fazia um contraprotesto antirracista, que seguia, naquele momento, de forma pacífica. Depois de acertar diversos manifestantes, matando Heather Heyer, de 32 anos, e ferindo outras 19 pessoas, James deu marcha ré.

Preso logo após o atropelamento, Fields está detido sem direito a condicional e sob a acusação de assassinato em segundo grau -quando há intenção de matar, mas sem planejamento prévio, segundo a legislação americana- e outras queixas, como não ter prestado socorro às vítimas.

SAIBA MAIS – Conta do twitter revela perfil de manifestantes de direita

SAIBA MAIS – Matéria do UOL mostra perfil de James Alex Fields

Olavo de Carvalho

Olavo de Carvalho é uma das principais referências intelectuais de conservadores brasileiros. Ele mora em Richmond, Virgínia, EUA, e é tratado como mestre por políticos, a exemplo de Marco Feliciano e Jair Bolsonaro, e por personalidades da televisão, como Rachel Sheherazade e Danilo Gentili.

Rachel Sheherazade cita Olavo para defender a cassação do registro do PT:

Marco Feliciano exalta Olavo de Carvalho, na Câmara dos Deputados.

Olavo é entusiasta da campanha de Jair Bolsonaro à presidência da República e grava constantemente hangouts na internet com o deputado federal e com seus filhos Flávio Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro. Flávio é deputado estadual pelo Rio de Janeiro e Eduardo é deputado federal por São Paulo.

A relação entre os quatro é antiga. Em 2012, a pedido de Flávio Bolsonaro, a Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro concedeu a medalha Tiradentes a Olavo de Carvalho. O filho de Bolsonaro esteve em Virgínia para entregar a honraria ao filósofo aqui. Eduardo Bolsonaro também fez visita à casa de Olavo nos EUA para trocar ideias com o guru intelectual da família aqui.

Quando Jair Bolsonaro foi acusado de apologia ao estupro, ao afirmar que não estupraria a deputado do PT, Maria do Rosário, porque ela não merece, Olavo de Carvalho defendeu Bolsonaro e atacou FHC e Reinaldo Azevedo:

George Soros

Olavo é crítico histórico do magnata George Soros. O brasileiro acusa Soros de ser o maior financiador de movimentos de esquerda pelo mundo e um dos mentores da elite globalista ocidental. Para Olavo, a intenção de Soros é criar um governo mundial com estado fortes submetidos a grandes magnatas (os chamados meta-capitalistas), como George Soros. Em 2011, Olavo defendeu em uma entrevista, não publicada, “à Isto é“, que o Occupy Wall Street é foi um movimento financiado por Soros e com apoio de Barack Obama.

Para o filósofo estão em disputa no mundo três projetos globalistas, um russo-chinês (herdeiro do comunismo real), outro islâmico (controlado por lideranças religiosas tradicionais) e as elites ocidentais (lideradas por George Soros, os Rockefeller, dentre outros magnatas e os respectivos governos).

Em 2006, em artigo publicado em seu site, Olavo acusou Soros de financiar campanhas e movimentos de legalização das drogas com a finalidade de perdoar os crimes dos narcotraficantes e entregar o poder do continente latino-americano nas mãos das FARC.

“Os campeões liberacionistas no Brasil são parceiros políticos das Farc e têm com elas um projeto de poder destinado a conquistar todo o continente. A liberação, por si, bastaria para realizar esse projeto integralmente, da noite para o dia. Quem defende a ideia com plena consciência dessa implicação é um criminoso cujo lugar é na cadeia e não em debates decentes. Quem o faz sem essa consciência é um bobão – um discípulo de George Soros”, concluiu Olavo.

Jornalista e formado em ciência política pela UNESP, André Henrique já atuou como docente, assessor parlamentar e consultor político, mas é no jornalismo que o sociólogo se realiza profissionalmente, especialmente na editoria de política.

Comente no Facebook