Os arquivos sobre o caso do hacker e Marcela Temer que a Justiça censurou

1

Muitos trechos das conversas já estão publicados em veículos de imprensa, mas confira aqui os prints na íntegra.

Análise – Por Rafael Bruza

A decisão que censurou a Folha e o Globo (esq.) o presidente Michel Temer nega censura na decisão / Foto – Reprodução (Internet)

Nesta segunda-feira (13), uma liminar do juiz Hilmar Castelo Branco Raposo Filho, da 21ª Vara Cível de Brasília, impediu os jornais Folha de S. Paulo e O Globo de publicar informações sobre uma tentativa de extorsão do hacker e telhadista Silvonei José de Jesus Souza a Marcela Temer. O suspeito está preso em Tremembé, interior de São Paulo, numa condenação de 5 anos de prisão por tentar extorquir R$ 300 mil da primeira-dama.

A decisão da Justiça aos jornais indica que os réus devem se abster de “dar publicidade a qualquer dos dados e informações obtidas no aparelho celular da autora”, “sob pena de multa no valor de R$ 50 mil”.

A petição que gerou a decisão foi assinada pelo advogado Gustavo do Vale Rocha, subchefe para Assuntos Jurídicos da Casa Civil (do Governo Federal de Michel Temer), em nome de Marcela Temer.

O advogado da Casa Civil diz que a ação “serve a evitar prejuízo irreparável à autora, que, caso tenha sua intimidade exposta indevidamente pelos veículos de comunicação, que mais uma vez estão a confundir informação com violação da privacidade de uma pessoa pública”.

A Folha recorreu da decisão e entidades do setor de jornalismo repudiaram a proibição da veiculação de informações.

Em coletiva de imprensa desta segunda-feira (13), o presidente Michel Temer disse que a proibição não é censura.

“Não houve isso (censura), você sabe que não houve”, respondeu o presidente no Palácio do Planalto ao ser questionado sobre o assunto após um pronunciamento à imprensa sobre greves e a Operação Lava a Jato.

O site The Intercept, do jornalista Glen Greenwald divulgou as informações censuradas pela Justiça de Brasília.

Na verdade, a maioria das informações que seriam publicadas pela Folha e pelo Globo mostram trechos de conversas entre o hacker e Marcela Temer que já estão na imprensa, em diferentes sites, jornais, revistas e portais do país.

Amparado pela liberdade de expressão que o artigo 5º da Constituição Federal determina, portanto, o Independente se sente no direito de divulgar os arquivos já publicados por outros veículos de comunicação.

Estes são os arquivos com as conversas entre Marcela e o hacker. Em cada um há breve explicação.

Arquivo 1

Imagens de 1 a 4 mostram prints de conversas entre Marcela e o hacker. Estes primeiros prints já foram divulgados pela imprensa.

Imagem 1: Após tentar conversar por ligação do Whatsapp, o hacker envia mensagens de “bom-dia” e questiona se Marcela Temer ligou.

Imagem 2 (esquerda superior): Marcela Temer inicia conversa com Silvonei José de Jesus Souza. Confira:

– “Quem apagou meu celular ? Foi Você !!! Meu iPhone foi invadido, meu email invadido, senhas trocadas, tudo apagado … E você tem essa informações por pura sorte ? Me explique por favor”, pede Marcela.

– “Não vou mais te incomodar! Boa noite”, diz o hacker.

– “Eu espero que não mesmo! Tem tanta gente que não presta por aí. Você não me conhece, mas eu sou mãe, sou advogada, ajudo muita gente e não mereço ter minha intimidade invadida. Pense bem ! pode pesquisar o que quiser de minha vida não tem nada. Vivo discretamente para meu filho. Não sei se você é homem ou mulher, mas reflita um pouco !”, pede a primeira-dama.

Imagem 3: É o mesmo print da imagem 2, mas com um comentário a mais de Marcela Temer.

– “Você me conhece ? Minha voz ? Fiada … eu abro minha vida para quem quiser. É limpa e honesta ! Ninguém da imprensa pode ter acesso a material roubado !”

Imagem 4: O hacker diz “olá” e envia um vídeo à Marcela que, segundo afirma, joga o nome de Temer “na lama”. Logo depois o hacker coloca o áudio, mas não é respondido.

Arquivo 2

Trata-se de um trecho do relatório de investigação conduzido pelo delegado especial, Rafael Correa, que foi selecionado por Alexandre de Moraes (então secretário de Segurança Pública de São Paulo) para investigar a tentativa de extorsão à Michel Temer. Os números de telefone foram apagados para evitar perseguições aos envolvidos.

Arquivo 3

Imagens 5 a 8 no relatório mostram mais prints de conversas entre Marcela e o hacker. Alguns trechos destas conversas não foram publicados pela imprensa.

 

Imagem 5: Marcela Temer envia mensagem ao hacker.

“Clonou meu Whatsapp e tentou tirar dinheiro da minha gerente e roubou dinheiro do meu irmão, que é um rapaz trabalhador, ok? A troco de que? Minha vida é um livro aberto! E você quer o que de mim? Divulgar material hackeado é crime! Tem lei! Você não sabia? Isso que você tem aí é roubado … Entendeu? Confesso que não te entendo.”, diz Marcela.

“Eu instalei um anti vírus e quando reiniciou o meu PM (inelegível) pasta com suas fotos vídeos e arquivos pessoais”, afirma o hacker, que envia outra mensagem na sequência.

“Não é possível clonar whatzapp (sic)! Pois bem como achei que esse víde-o joga o nome de vosso marido na lama. Quando você disse que ele tem um marqueteiro que faz a parte baixo nível, pensei em ganhar algum”, afirma antes do print cortar a sequência da mensagem.

Imagem 6: Marcela envia a primeira mensagem exposta no print.

“Não sei a mando de quem você está …. Me deixe em paz que tenho muito o que fazer”, afirma Marcela.

O hacker envia o áudio que, segundo ele, suja a imagem de Michel Temer. Logo manda e uma mensagem.

“Eu não falei que (inelegível) ninguém! Não tenho problema algum. Não falei que você é bandida”, afirma.

“Mas o que você quer? Não sei se foi você ou outra pessoa que hackeou algumas informações do meu iPhone? Clonou meu Whatsapp e tentou tirar dinheiro da minha gerente e roubou dinheiro do meu irmão, que é um rapaz trabalhador, ok? A troco de que? Minha vida é um livro aberto! E você quer o que de mim? Divulgar material hackeado é crime! Tem lei! Você não sabia? Isso que você tem aí é roubado … Entendeu? Confesso que não te entendo.”

Imagem 7: Souza começa a conversa.

“Quando você disse que ele tem um marqueteiro que faz a parte baixo nível, pensei em ganhar algum. Por isso sou do MAL? Não… tenho uma lista de repórteres que oferecem 100 mil cada pelo material que somente comentei por texto. O que tem no vídeo. Se eu fosse do MAL teria passado para (inelegível) marido. Mas a quanto tempo venho tentando contato com vocês ???”, questiona o hacker.

Marcela responde.

“Você acha que isso prejudica alguém ??? Então vc quer dinheiro por causa desse áudio!? Você faz uma interpretação de um áudio e acha que tem algo errado aí!? Será que sou eu mesmo falando?”

Imagem 8: o hacker envia o vídeo e o áudio que diz prejudicar Temer.

Arquivo 4

São os últimos prints incluídos no relatório. Mostra imagens 9 e 10.

Imagem 9: Marcela Temer fala com o hacker.

“Não devo nada para ninguém ok! Qual seu problema? Bandido aqui é você!!! Sou do bem, e você invadiu meu iPhone!! E aí? Como você fica? Quer negociar o que comigo?? Isso é montagem … E aí vai fazer o que? Quer me encontrar?”, questiona a primeira-dama.

O hacker responde.

“Sabe que não é montagem não tem cortes. É a sua voz se identificando que estudava no porfirio (em referência à Escola Estadual General Porfírio da Paz, onde Marcela estudou). Não existe como fazer uma montagem assim”, afirma Souza.

Marcela responde: “bandido criminoso. Minha vida é limpa e basta. Montagem é montagem. Não tenho medo de você. Não sei a mando de quem você …”.

Imagem 10: no último print, o hacker tenta contato, mas não obtém sucesso.

“Ligou ontem o que queria? Caso tenha mudado de ideia a hora é agora amanhã não vai ser possível voltar atrás!”.

Logo o hacker tenta ligar duas vezes a Marcela e reenvia o áudio que supostamente compromete Temer.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook