Psolista propõe protestos contra pré-candidatura de Guilherme Boulos pelo PSOL

0

“Fora Lula do PSOL! Prévias Já”, diz texto de Plinio Jr.,  um dos pré-candidatos do partido que se queixam em público da escolha do coordenador do MTST.

Por Rafael Bruza

O coordenador do MTST, Guilherme Boulos, e o psolista Plínio Jr. / Fotos – Reprodução

No texto “PSOL sem Lula”, o professor livre-docente do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Plinio Junior, propõe que militantes do partido e outras pré-candidaturas façam protestos no Rio de Janeiro e em São Paulo, nos dias 7 e 9 de março respectivamente, contra a pré-candidatura do coordenador do MTST, Guilherme Boulos, pela sigla, que será anunciada formalmente dia 10.

“A pré-candidatura de Plínio de Arruda Sampaio Jr. lutará até as últimas consequências para que o partido não se transforme numa sublegenda do PT. Não entregaremos o PSOL para quem pretende desvirtuá-lo. Sem debate e sem a aprovação dos militantes, o programa e o candidato do PSOL não têm legitimidade para representar a vontade política do conjunto do partido”, diz o texto. Escolha de programa e candidato sem consulta à base é golpe. Não faremos vista grossa à usurpação da história do PSOL. Nesse sentido, convocamos a militância e as demais pré-candidaturas verdadeiramente partidárias a realizar um protesto no dia 7 de março, às 18h, na porta da ABI, no Rio de Janeiro, e a promover um grande ato no dia 9 de março, em São Paulo, com os motes: Fora Lula do PSOL! Prévias Já”!

Segundo Plínio, a candidatura de Guilherme Boulos à Presidência de República “por fora das instâncias partidárias constitui um absoluto desrespeito à democracia do PSOL”

“A esdrúxula participação de Lula na Conferência Cidadã, abençoando a candidatura de Boulos, representa um atentado à história de um partido que nasceu exatamente como uma crítica ao lulismo. Boulos seria bem-vindo ao PSOL, mas não desse jeito”, afirma Plínio no texto.

Outros pré-candidatos do PSOL fizeram críticas à escolha de Boulos.

O professor do Departamento de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Nildo Ouriques, reclamou da falta de realização de prévias no partido. Ele também preparava a pré-candidatura pelo PSOL.

“Eu apostei, de maneira solitária nas prévias. No dia em que Chico Alencar – então nome de consenso no Partido – optou pela candidatura ao senado no Rio, reivindiquei prévias”, declarou Nildo em entrevista ao Independente. “No congresso nacional (do partido) fui voto solitário na defesa de prévias. A maioria rejeitou ouvir os filiados. Naquele momento, o convite ao Boulos já era uma realidade. A maioria do PSOL apostou nele sem ouvir os filiados”, disse Nildo, que também critica a forma em que Boulos foi escolhido.

“Ele, Boulos, pediu incríveis 3 meses para ouvir as bases do MTST e não defendeu ouvir as bases do PSOL. No dia 10 ele será indicado o candidato oficial do PSOL. Na tal Conferencia Cidadã, vi sem surpresa o vídeo de Lula. É caso inédito de uma eleição em que dois candidatos trocam elogios e declarações recíprocas de admiração e lealdade e pretendem disputar o mesmo posto! Não conheço outro caso na América Latina. Nenhum!”, declarou Nildo.

Outro lado

O membro da Direção Nacional do PSOL, José Luís Fevereiro, declarou nesta terça-feira (06) que o partido não fez prévias internas porque a candidatura de Guilherme Boulos contava com apoio da maioria da sigla.

“O PSOL não fez previas porque realizou um Congresso com 27 mil participantes que tinha a escolha do candidato como pauta. Por larga maioria, o Congresso aprovou definir o nome numa conferencia eleitoral agora em março, exatamente porque essa laga maioria queria o Boulos candidato. Os que hoje defendem previas, queriam definir o candidato no Congresso em dezembro para inviabilizar o Boulos. Hoje se vestem de defensores da democracia quando na verdade é um jogo de hipocrisia”, declarou Fevereiro.

A escolha de Boulos

A ideia de lançar Guilherme Boulos à Presidência da República partiu de Marcelo Freixo, que se aproximou do coordenador do MTST em 2017.

No último sábado, lideranças do PSOL, artistas, intelectuais e movimentos sociais estiveram na Conferência Cidadã, feita pelo movimento Vamos! – não pelo PSOL – onde Guilher Boulos foi anunciado informalmente como pré-candidato à Presidência da República pelo partido.

O anúncio oficial da pré-candidatura deve ocorrer na próxima conferência do partido, que será feita dia 10 de março.

Veja como foi o lançamento da pré-candidatura de Guilherme Boulos:

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook