‘Só não voto no PT. Ponto’, diz vice de Alckmin sobre disputa de 2º turno (Assista)

0

Cerca de 70% do PP do Rio Grande do Sul, partido de Ana Amélia, apoia a candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Por Rafael Bruza

A senadora Ana Amélia (PP/RS), candidata a vice-presidente da República na chapa de Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta sexta-feira (28) que em eventual disputa de 2º turno entre Fernando Haddad e Jair Bolsonaro, não votaria no PT. A declaração foi feita em debate na IBEMEC, em São Paulo, organizado pelo El País Brasil e o Instituto Locomotiva, que reuniu candidatas mulheres à vice, nesta sexta-feira (28).

Ela também disse que direciona suas “baterias” ao Partido dos Trabalhadores.

“Como sou uma pessoa moderada, eu acho que se nosso adversário, hoje, nesse processo eleitoral, é o PT, se você quiser direcionar suas baterias, é para o PT”, afirmou Ana Amélia.

Durante o evento, uma jornalista apresentou ao público a manifestação da senadora sobre seu voto e perguntou se ela acredita que um eventual governo de Jair Bolsonaro seria “democrático”. Ana Amélia não quis comentar a declaração de antes e disse que Geraldo Alckmin irá ao segundo turno.

“Essa decisão é para o segundo turno e o presidente Geraldo Alckmin estará no segundo turno. Estou nessa chapa para contribuir com esta evolução democrática. Alckmin é um homem de diálogo, respeita as mulheres”, afirmou. “O segundo turno será entre Geraldo Alckmin e outro candidato”.

A senadora também negou que os resultados do tucano nas pesquisas eleitorais tenham causado decepção.

“Não há nenhuma decepção. Todas as escolhas que você faz na vida têm riscos. Até uma cirurgia há riscos. Eu assumi com consciência os riscos de deixar um mandato de 8 anos no Senado praticamente assegurado para um mandato de quatro com resultado incerto. Tomei essa decisão conscientemente”, disse a senadora.

PP do RS e Bolsonaro

Segundo deputados do PP, cerca de 70% do partido no Rio Grande do Sul apoia o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. O restante se divide em apoio a Alckmin e a Álvaro Dias (Podemos), de acordo com o site Poder 360.

O candidato ao Senado Luiz Carlos Heinze (PP-RS) declarou apoio ao militar dia 12 de setembro. A declaração significou um racha do PP do Rio Grande Sul com a candidatura de Alckmin.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook