Unicamp adota cotas raciais

0

O Conselho Universitário da Universidade Estadual de Campinas, a UNICAMP, aprovou, nesta quarta-feira (30/05), a introdução do sistema de cotas raciais em seu vestibular. As cotas serão implementadas a partir de 2019.

Do Alma Preta

O Conselho Universitário da Universidade Estadual de Campinas, a UNICAMP, aprovou, nesta quarta-feira (30/05), a introdução do sistema de cotas raciais em seu vestibular. As cotas serão implementadas a partir de 2019.
O Conselho, conhecido como CONSU, é a mais importante esfera de decisão da universidade e reúne os diretores das faculdades da instituição.

A partir da greve realizada em 2016, três audiências públicas foram realizadas sobre o assunto, além da abertura de debate com a comunidade acadêmica liderada por um Grupo de Trabalho (GT) composto de alunos, professores e membros da Frente Pró-Cotas da UNICAMP e Núcleo de Consciência Negra da UNICAMP.

Segundo publicado no site Esquerda Diário, o GT levou ao CONSU a proposta de 50% de cotas para estudantes de escola pública, respeitando a proporção populacional por raça no estado de São Paulo: 37,2%, de cotas raciais. Além disso, o GT defendeu a adoção de reserva de vagas de 37,2% também na ampla concorrência. A proposta foi aprovada, e seguirá como meta para uma implementação progressiva da reserva de vagas.

A partir da aprovação, um novo Grupo de Trabalho Institucional deve escrever um projeto e definir um calendário para a implementação da medida. O CONSU se reunirá novamente em novembro para deliberar sobre a aprovação dessa última versão do projeto.

A votação de hoje chegou a ser transmitida ao vivo pelo site da Universidade.

Segundo relatos da reunião, a discussão foi tensa. Apesar da decisão unânime, ao longo da reunião muitos dos presentes se posicionaram contra. O debate foi longo, e teve início às 9h da manhã, tendo seu final apenas no final da tarde.

Campanha Internacional

A campanha pelas cotas na UNICAMP teve amplo apoio na internet e páginas como a da “Frente Pró-Cotas da UNICAMP” ajudaram a criar pressão sobre a votação, além da expectativa. Uma vez aprovada, a notícia foi comemorada e replicada por militantes sociais conhecidas, como Djamila e Stephanie Ribeiro.

A campanha se difundiu para além do país, e contou com o apoio do ator e ativista Danny Glover, que adicionou uma foto sua na rede social Facebook com o logo da campanha Pró-Cotas, escrevendo para seus seguidores:

Tradução: “O acesso a uma educação pública gratuita e de qualidade é um direito social garantido pela Constituição brasileira. A presença reduzida de estudantes negros e indígenas torna necessária a existência de políticas públicas legítimas que combatam privilégios e exclusões. Então, eu apoio as cotas na Unicamp, Brasil”.

USP passa a ser única universidade estadual paulista sem cotas

A UNICAMP se une à Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, a UNESP, que já tem um sistema semelhante desde 2014. O ano marca  o início da política de cotas na instituição. À época, a UNESP reservou 15% de suas vagas para alunos de escola pública, dos quais 35% são reservadas para Pretos, Pardos e Indígenas. A medida é progressiva, e a meta é que a reserva total atinja 50% das vagas em 2018.f

Desde 2004, a UNICAMP adotava um sistema de bonificação para pretos, pardos e indígenas, mas não havia reserva de vagas. O sistema anterior garantia ao auto-declarado um acréscimo de pontos para disputar a ampla concorrência.

A Universidade de São Paulo, a USP, continua não adotando o sistema. No entanto, algumas faculdades da Universidade utilizam o SISU para reserva de vagas, como noticiado pelo Alma Preta em 2016.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook