Youtuber do MBL provoca críticos de Temer, grava reações e publica nas redes sociais

2

Arthur Moledo, do canal “Mamãefalei” diz que não grava seus vídeos em “manifestações de direita” porque “a gente vive em um país de extrema esquerda”. Ele viajou por 4 capitais do país nas últimas semanas para gravar seus vídeos.

Informação – Por Rafael Bruza

O líder do Movimento Brasil Livre (MBL) Kim Kataguiri, e o youtuber do canal Mamãefalei / Foto - Reprodução
O líder do Movimento Brasil Livre (MBL) Kim Kataguiri, e o youtuber do canal Mamãefalei / Foto – Reprodução

Arthur Moledo Do Val é criador e dono do canal “Mamãefalei”, que tem 140 mil seguidores no Youtube. Com a destituição de Dilma Rousseff no Senado Federal, o youtuber se alinhou ao Movimento Brasil Livre (MBL) e começou a fazer viagens para gravar entrevistas com manifestantes e cidadãos contrários ao Governo de Michel Temer ou alinhados com partidos da oposição. Nas gravações, Arthur induz os entrevistados a contradições, grava as reações e divulga o conteúdo editado nas redes sociais.

Autodeclarado um liberal, o youtuber do MBL faz vídeos exclusivamente críticos a partidos, candidatos e ideias de esquerda.

Arthur esteve em manifestações contra Michel Temer em São Paulo após o Impeachment de Dilma. Um mês depois, foi até a Cinelândia, Rio de Janeiro, o “antro dos eleitores de Freixo”, segundo qualifica, onde fez seus questionamentos a eleitores do psolista, que disputa o 2º turno na cidade. E após quatro dias, foi até Porto Alegre (RS), onde conversou com militantes de Luciana Genro (PSOL), sempre buscando contradições e ironias nos posicionamentos políticos de cidadãos alinhados com a oposição à Temer.

Mas quando entrevistou João Doria (PSDB), eleito prefeito de São Paulo em 1º turno, Arthur Moledo Do Val mudou seu padrão e se limitou a fazer uma brincadeira junto com o tucano sobre uma declaração da candidata Marta Suplicy (PMDB).

Nesta quarta-feira (19), Arthur também esteve em Curitiba com líderes do MBL, como Renan Santos, e do movimento Direita Curitiba, para gravar um de seus vídeos no Colégio Estadual Paraná, que está ocupado por estudantes contrários à PEC 241 de teto de gastos e à MP 746 do Ensino Médio.

Houve desentendimento e confusão com os estudantes na porta da escola. O youtuber afirma que foi agredido e teve sua câmera quebrada. Os estudantes também dizem que sofreram afressões e acusaram Arthur Moledo Do Val de ter agredido uma estudante sexualmente. O youtuber foi encaminhado à Delegacia da Mulher para esclarecer os fatos, mas não há novidades sobre o caso.

Parceria com o MBL

Os vídeos de Arthur vêm sendo compartilhados nas páginas do Movimento Brasil Livre desde que Dilma Rousseff foi impichada da Presidência da República.

Um dia após a destituição da ex-presidente no Senado Federal, Arthur fez uma transmissão ao vivo na sede do MBL em que aparece com líderes do movimento, como Renan Santos e o vereador Fernando Holiday, eleito pelo DEM nas eleições de São Paulo.

Passado um mês, o youtuber declarou voto em Holiday para as eleições municipais de São Paulo, onde o político e líder do MLB conseguiu se eleger pelo do Democratas (DEM), antigo PFL com apoio de 48 mil eleitores.

“Escolho o Holiday porque ele é um cara que antes de eu pensar em fazer vídeos em manifestações, já via ele fora do sofá, fora do Facebook, militando, realmente, por uma luta por liberdade. (…) O cara com 19 anos está sendo elogiado pelo Reinaldo Azevedo. Está sendo elogiado pela Janaína Paschoal. Então o cara de 19 anos está sendo elogiado por essas enormes figuras que também lutam por liberdade”, afirma o fundador do canal Mamãefalei.

Desde então, os vídeos de Arthur mostram o logo do Movimento Brasil Livre e continuam focados em criticar manifestações e manifestantes contrários ao Governo de Michel Temer ou a favor de políticos da oposição, como o atual prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT).

O youtuber também começou a fazer viagens para gravar os vídeos (esteve em 4 capitais do Brasil desde o começo de setembro), deu entrevistas para a imprensa (Rádio Bandeirantes e Jovem Pan) e também está confirmado em uma palestra do 3º Fórum Liberdade e Democracia, financiado pelo instituto Mises Brasil, pela Porto Seguro, pela Suzano Papel e Celulosa, entre outros.

O evento apresenta Arthur como um “webativista formado em engenharia química”, “criador e protagonista do canal do Youtube ‘Mamãefalei’, cujo lema é ‘vamos questionar tudo’”.

Mamãefalei responde críticas

Nas redes sociais, internautas criticam o parceiro do MBL pelas críticas feitas exclusivamente contra a esquerda e pela edição que realiza nos vídeos.

Para se defender de acusações, o fundador do canal Mamãefalei gravou um vídeo em 4 de setembro dizendo “respostas a 3 questionamentos mais comuns” de seus vídeos em manifestações políticas.

Nele, disse que não grava seus vídeos em “manifestações de direita” porque “a gente vive em um país de extrema esquerda” e não há apoio à políticos em manifestações a favor do Impeachment.

“Eu não discordo que se eu for em outra manifestação, de qualquer outro cunho, vou encontrar pessoas que não sabem responder as questões que eles estão lá lutando por aquilo. Isso eu concordo. O que acontece é o seguinte: em primeiro lugar, a gente vive em um país de extrema esquerda. Por mais que você ache que a gente está na centro esquerda, não. Nós estamos na extrema esquerda. Então eu tenho que questionar mais o que? Tenho que questionar mais a esquerda. Se o país é de esquerda e ta ruim, eu tenho que questionar mais a esquerda. E a segunda questão, que acho até mais importante, é o seguinte: nas outras manifestações, eu não vejo ninguém defendendo político, cara. Inclusive uma das manifestações a favor do Impeachment tavam o Aécio Neves e o Serra e eles foram vaiados. Tiveram que sair de lá. Ou seja, nessas manifestações eu não vejo ninguém batendo no peito e dizendo: ‘é, eu sou Eduardo Cunha até morrer’; ‘o Aécio Neves é muito honesto’. Eu não vejo isso, cara. O dia que eu ver isso, com certeza, pode ter certeza, que eu vou questionar esse cara também”, afirma.

O youtuber também explica que seus vídeos pretendem mostrar como os entrevistados que defendem o FGTS, por exemplo, “são roubados e não sabem”. Para isso, Arthur diz que seleciona as respostas que deixam isso “o mais claro possível”.

“Por exemplo, você chega para o cara e pergunta: ‘o que é o FGTS? Você é a favor do FGTS? Sou, sou’. Quanto rende o FGTS? ‘Poxa, não sei’. Então quer dizer: o cara está sendo roubado e não sabe. É justamente isso que eu quero mostrar. Então, o que eu faço? Eu tento encurtar o vídeo o máximo possível e é lógico que eu pego as respostas que deixam isso o mais claro possível. Deu para entender?”, questiona.

No vídeo, ele também diz que já entrevistou pessoas que “sabem responder” suas perguntas, mas ressaltou que não inclui essas respostas nos vídeos porque “fica longo” e o entrevistado acaba defendendo “a extrema esquerda”.

“O ultimo cara que defendeu o governo chavista na Venezuela sabia conversar, a gente começou a conversar, tal, fiquei um bom tempo conversando com o cara. Sò que acontece o seguinte: o vídeo fica chato. Fica longo e no final das contas é aquela história: o cara acaba defendendo Marx acaba defendendo a extrema esquerda, que, resumindo, nunca deu certo em nenhum lugar do mundo, entendeu? Então não vou perder 20 minutos do meu vídeo mostrando o cara argumentar alguma coisa que é muito fácil. Eu vou falar assim: tudo bem, onde isso deu certo? Ah, em lugar nenhum, então acabou”, afirma Arthur no vídeo.

Jornalista formado em Madri, retornou ao Brasil em 2013 para lançar um meio de comunicação próprio. Idealizou, projetou e lançou o Indepedente em fevereiro de 2016. Acredita que o futuro do mundo está dentro de cada um de nós e trabalha para que as pessoas tenham uma visão realista, objetiva e construtiva do planeta Terra.

Facebook Twitter LinkedIn 

Comente no Facebook